4.

Implantodontia e Enxertos Ósseos

Os IMPLANTES DENTÁRIOS são dispositivos confeccionados em titânio que são colocados no lugar das raízes do dente perdido. Eles podem ser usados para substituir desde um único dente até arcadas completas. São variadas as formas de reabilitação, como coroas unitárias, próteses parciais fixas, próteses totais fixas (protocolo) ou próteses totais removíveis retidas por implantes (overdentures).

Com seu advento, as técnicas para reabilitação oral evoluíram muito. Com elas pacientes que antes estavam condenados a utilizarem próteses totais removíveis (dentaduras) pelo resto de suas vidas, podem ter de volta dentes fixos, com estética e função muito superiores, devolvendo a eles qualidade de vida.

PODE HAVER REJEIÇÃO DE UM IMPLANTE DENTAL?

Os implantes são confeccionados em titânio, portanto um material inerte, impossível de ser rejeitado pelo corpo humano. A definição para a palavra rejeição quando utilizado na medicina ou odontologia consiste em uma reação de anticorpos a um órgão enxertado no organismo.

O que ocorre na verdade é a ausência da osseointegração que leva a perda de implantes. Segundo estudos, há ocorrência em aproximadamente 2% dos casos e que pode ser provocada por inúmeros fatores, sejam eles isolados ou associados. Entre as principais causas de fracasso no tratamento estão: doenças não controladas, alcoolismo, tabagismo, doença periodontal não tratada, higiene oral deficiente, infecções pós-cirúrgicas, hábitos parafuncionais não controlados (ex: bruxismo), técnica cirúrgica inadequada, entre outras. 

* O Dr. Luis Pagotto UTILIZA EXCLUSIVAMENTE IMPLANTES DENTÁRIOS DA STRAUMANN, oferecendo o que há de melhor no mundo na área da implantodontia para seus pacientes.

  1. Estes implantes dentários possuem um tratamento especial em sua superfície, otimizando e acelerando a cicatrização

  2. A osseointegração (cicatrização) destes implantes são muito mais rápidas quando comparada aos demais sistemas, com extensas comprovações científicas, com implantes cicatrizados em até 21 dias

  3. Permitem uma melhor estabilidade do tratamento em longo prazo

  4. Proporciona melhores condições de saúde da gengiva e osso ao redor do implante

  5. A precisão nos encaixes entre os componentes evita o acúmulo de bactérias entre as conexões do implante com a prótese

  6. As características exclusivas do Straumann Dental Implant System permitem a execução de tratamentos menos traumáticos, menos invasivos e com resultados previsíveis a longo prazo, tanto estéticos quanto funcionais.

  7. As melhorias dos implantes Straumann são baseadas em evidências científicas multicêntricas produzidas pelo ITI Group (International Team for Implantology), o maior grupo de pesquisas da Implantodontia no mundo

IMPLANTE_DENTÁRIO_DR._LUIS_PAGOTTO.jpg

Enxertos ósseos - Regeneração óssea guiada

A necessidade de correção de pequenos ou de grandes defeitos ósseos, através da reconstrução óssea dos maxilares – enxertos ósseos, para colocação de implantes dentários e posterior reabilitação, tornou-se rotineira na prática da cirurgia maxilofacial.  As técnicas de enxerto ósseo e de reconstrução parcial ou total da maxila e da mandíbula e das áreas doadoras são avaliadas, basicamente, de acordo com o grau de perda óssea, do planejamento cirúrgico-protético e das condições de saúde do paciente.

A espessura óssea alveolar é a região da maxila e mandíbula que prende as raízes dos dentes naturais. Após a perda do dente, traumatismo ou a ressecção de tumor, a espessura óssea alveolar diminui, deixando um defeito ósseo que deve ser corrigido antes da colocação do implante dentário. Nos casos onde a perda do osso é pouca, é possível executar o enxerto ósseo e colocar o implante dental simultaneamente.

Entretanto, em casos severos, a reconstrução em espessura com enxerto ósseo deve ser realizada antes da colocação do implante dentário. Então, depois de um período de três a seis meses, o implante pode ser instalado.

Blocos de osso autógeno podem ser coletados da mandíbula ou da crista ilíaca, e constituem o material preferencialmente usado para reconstruir defeitos ósseos maiores do rebordo alveolar. Contudo, os enxertos de osso autógeno estão sujeitos a um determinado grau de reabsorção, sendo que a aplicação de biomateriais juntamente com enxerto de bloco ósseo, diminui essa reabsorção.